Mandala traduzindo do Sânscrito, significa: मंड "essência” + ल "ter" ou "conter". Também pode ser traduzida como círculo ou circunferência, totalidade, plenitude, derivando do termo tibetano “dkyil khor”. Sua estrutura de combinações figuras, quadrados e triângulos em torno de um centro simbolizam a união do plano espiritual com o material. Mandala é uma forma de trabalhar o nosso universo interior de um modo criativo, que nos ajuda também a reunir energias dispersas e a melhorar a nossa concentração, induzindo ao estado de relaxamento. Naturalmente, se percebermos uma paixão muito forte e intensa, podemos reproduzi-la em uma pintura com toda a variedade de chamas e ornamentos. Estes poderosos instrumentos mágicos são utilizados na harmonização e cura de energias confusas em ambientes e também para meditação como desbloquear ou despertar sentimentos e sensações que encontram dificuldades em manifestar-se, exteriormente deixando mágoas para trás, trazendo mais ânimo e nos acalmando. Carl Jung relacionou as mandalas a "movimentos em direção a um crescimento psicológico, expressando a idéia de um refúgio seguro, de reconciliação interna e inteireza". Para ele, as mandalas são embarcações na qual projetamos nossa psique, que retornam a nós como um caminho de restauração. Jung reconheceu que figuras arquetípicas (símbolos universais) de várias culturas podiam ser identificadas nesta expressão espontânea do inconsciente. Os círculos são universalmente associados à meditação, a cura e o sagrado, que funcionam como chaves para os mistérios de nosso interior e que, quando utilizados com este objetivo, remetem ao encontro com os mistérios de nossa alma.



Promoção do mês de agosto

Compre 100 minutos de consulta e GANHE 01 MANDALA
Solicite o catálogo de modelos desta promoção - frete grátis!

*Clique aqui para fazer sua consulta esotérica ou adicione selene-luz@hotmail.com.br*

Einstein


Teoria da Relatividade Geral de Einstein é verificada pela primeira vez em escala cósmica

Previsões do físico nunca haviam sido confirmadas para objetos muito distantes da Terra, como aglomerados de galáxias

A luz de galáxias distantes da Terra também sofre alterações por causa da gravidade, confirmando a Teoria da Relatividade Geral, de Albert Einstein
A luz de galáxias distantes da Terra também sofre alterações por causa da gravidade, confirmando a Teoria da Relatividade Geral, de Albert Einstein (Nasa via AFP)
Uma equipe de astrofísicos confirmou a validade da Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein pela primeira vez em escala cósmica. Os pesquisadores comprovaram que a gravidade influi na luz que vem de aglomerados galácticos distantes - testes anteriores já haviam confirmado a teoria com base em observações de fenômenos mais próximos, na escala do Sistema Solar. O estudo foi publicado na revista Nature.
A equipe do astrofísico Radek Wojtak, da Universidade de Copenhague (Dinamarca), analisou a luz que chega à Terra a partir de centenas de milhares de galáxias muito distantes. Os pesquisadores verificaram que a gravidade garante a coesão dos agrupamentos, mas também influi na luz que cada uma das galáxias emite no espaço.

Relatividade Geral - De acordo com a Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein, a frequência da luz diminui e o comprimento da onda aumenta por efeito da gravidade. Por causa disso, ocorre um "desvio gravitacional" do espectro luminoso para o vermelho, o limite do espectro visível menos energético. 

Comparando o comprimento de onda da luz que vem das galáxias situadas no coração dos conglomerados, onde a gravidade é mais forte, ao das galáxias situadas na periferia, a equipe de astrofísicos conseguiu medir pequenas diferenças no desvio para o vermelho. "Vimos que a luz das galáxias situadas no meio dos aglomerados demora mais para sair do campo gravitacional, enquanto a luz das galáxias periféricas emerge mais rapidamente", disse Wojtak.

Em seguida, os cientistas utilizaram as fórmulas de Einstein para calcular o "desvio gravitacional" das galáxias de acordo com a posição no conjunto. Os cálculos se mostraram completamente de acordo com as observações. "O desvio para o vermelho varia proporcionalmente em função da influência gravitacional dos conglomerados galácticos", disse Wojtak.

(Com Agência France-Presse)
Artigo revista veja  28/09/201

Nenhum comentário:

Postar um comentário