Mandala traduzindo do Sânscrito, significa: मंड "essência” + ल "ter" ou "conter". Também pode ser traduzida como círculo ou circunferência, totalidade, plenitude, derivando do termo tibetano “dkyil khor”. Sua estrutura de combinações figuras, quadrados e triângulos em torno de um centro simbolizam a união do plano espiritual com o material. Mandala é uma forma de trabalhar o nosso universo interior de um modo criativo, que nos ajuda também a reunir energias dispersas e a melhorar a nossa concentração, induzindo ao estado de relaxamento. Naturalmente, se percebermos uma paixão muito forte e intensa, podemos reproduzi-la em uma pintura com toda a variedade de chamas e ornamentos. Estes poderosos instrumentos mágicos são utilizados na harmonização e cura de energias confusas em ambientes e também para meditação como desbloquear ou despertar sentimentos e sensações que encontram dificuldades em manifestar-se, exteriormente deixando mágoas para trás, trazendo mais ânimo e nos acalmando. Carl Jung relacionou as mandalas a "movimentos em direção a um crescimento psicológico, expressando a idéia de um refúgio seguro, de reconciliação interna e inteireza". Para ele, as mandalas são embarcações na qual projetamos nossa psique, que retornam a nós como um caminho de restauração. Jung reconheceu que figuras arquetípicas (símbolos universais) de várias culturas podiam ser identificadas nesta expressão espontânea do inconsciente. Os círculos são universalmente associados à meditação, a cura e o sagrado, que funcionam como chaves para os mistérios de nosso interior e que, quando utilizados com este objetivo, remetem ao encontro com os mistérios de nossa alma.



Promoção do mês de agosto

Compre 100 minutos de consulta e GANHE 01 MANDALA
Solicite o catálogo de modelos desta promoção - frete grátis!

*Clique aqui para fazer sua consulta esotérica ou adicione selene-luz@hotmail.com.br*

Transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM)



 O que é a TPM e o que é o TDPM?

A TPM é bem conhecida e pode ser entendida rapidamente com uma visita à Wikipedia:
"A tensão pré-menstrual (conhecida pela sigla TPM) é uma síndrome que atinge as mulheres e que ocorre, em maior ou menor grau, nos dias que antecedem a menstruação. Ela se caracteriza por uma irritabilidade e ansiedade mais acentuadas, bem como manifestações físicas, como por exemplo dor nas mamas, distensão abdominal e cefaléia. Decorre da retenção de sódio e água ."

O Transtorno Disfórico Pré Menstrual (TDPM) é uma forma mais grave da TPM, que afeta de 3 a 8% das mulheres. A principal característica do TDPM é a severidade dos sintomas, que podem causar disfunção física, psíquica ou emocional. Nestes casos o tratamento é recomendado pois o TDPM interfere com a habilidade da mulher de funcionar socialmente ou no trabalho. Os principais sintomas, como na TPM incluem (mas de forma mais severa):

  • sentimentos profundos de tristeza ou desepero, com possível ideação suicida
  • tensão ou ansiedade extremas
  • ataques de pânico
  • diarreia
  • alterações do humor, choro
  • irritabilidade ou raiva persistentes que criam conflitos interpessoais - tipicamente as mulheres não percebem o impacto que o transtorno tem nos familiares e amigos próximos
  • apatia ou desinteresse em atividades de vida diária
  • infecções por cândida (sapinho) - Candida albicans
  • dificuldades de concentração
  • fadiga
  • insônia ou hipersonia
  • inchaço
  • palpitações
  • dores nas mamas
  • dores de cabeça, nos músculos ou articulações
Segundo o Manual de Diagnóstico e Estatística da Associação Psiquiátrica Americana (1994), os critérios para o transtorno são os seguintes:


A. Os sintomas devem ocorrer durante a semana anterior à menstruação e remitirem poucos dias após o início desta. Cinco dos seguintes sintomas devem estar presentes e pelo menos um deles deve ser o de número 1, 2, 3, ou 4: 

1. Humor deprimido, sentimentos de falta de esperança ou pensamentos autodepreciativos.
2. Ansiedade acentuada, tensão, sentimentos de estar com os “nervos à flor da pele”.
3. Significativa instabilidade afetiva.
4. Raiva ou irritabilidade persistente e conflitos interpessoais aumentados.
5. Interesse diminuído pelas atividades habituais.
6. Sentimento subjetivo de dificuldade em se concentrar.
7. Letargia, fadiga fácil ou acentuada falta de energia.
8. Alteração acentuada do apetite, excessos alimentares ou avidez por determinados alimentos.
9. Hipersonia ou insônia.
10. Sentimentos subjetivos de descontrole emocional.
11. Outros sintomas físicos, como sensibilidade ou inchaço das mamas, dor de cabeça, dor articular ou muscular, sensação de inchaço geral “e ganho de peso”.

B. Os sintomas devem interferir ou trazer prejuízo no trabalho, na escola, nas atividades cotidianas ou nos relacionamentos.

C. Os sintomas não devem ser apenas exacerbação de outras doenças.

D. Os critérios A, B, e C devem ser confirmados por anotações prospectivas em diário durante pelo menos dois ciclos consecutivos.


Tratamento

Em geral mudanças no estilo de vida como dieta e exercícios podem melhorar alguns sintomas. Alguns antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina (ISRS) parecem melhorar o quadro: fluoxetina, sertralina, paroxetina e escitalopram. Para muitas mulheres, o uso de métodos hormonais que suprimem os períodos menstruais, seja o Dispositivo Intra Uterino (DIU) hormonal, os implantes hormonais ou pílulas contraceptivas que devem ser tomadas por tempo indeterminado produzem alívio ao impedir as oscilações hormonais.

 Reportagem do Estado de São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário